Notícias Fique por dentro das novidades e eventos

Artigo Científico: transplante de medula óssea — Hospital Português da Bahia

23 de novembro de 2004

Artigo Científico: transplante de medula óssea

23 November 2004

O procedimento do transplante de células-tronco hematopoiéticas, também conhecido como transplante de medula óssea, se baseia na infusão das células progenitoras saudáveis com a finalidade de substituir uma medula doente ou deficiente. Para que estas células novas possam se alojar no receptor, este deve ser preparado com altas doses de quimioterapia, associadas ou não a radioterapia, é o chamado regime de condicionamento.

Entidade terapêutica cada vez mais consagrada no tratamento de doenças hematológicas, oncológicas e imunológicas, o transplante de medula óssea (TMO) pode ser classificado quanto ao doador das células progenitoras em:

  • Transplante autólogo : Acontece quando o doador e receptor são a mesma pessoa. Nesse caso é coletada uma quantidade de células progenitoras do próprio paciente e, após condicionamento adequado, estas são reinfundidas com a finalidade de repovoar a medula que foi destruída pela quimioterapia. 
  • Transplante alogênico : Quando doador e receptor são pessoas diferentes. Com isso, se substitui a medula óssea doente por uma saudável. Para tal, são retiradas células progenitoras do doador, que possui uma medula compatível com a do receptor. Este doador pode ser consangüíneo (geralmente irmãos) ou não consangüíneo (através de bancos de medula).
  • Transplante singênico : Este transplante é feito entre irmãos gêmeos idênticos, cujas medulas são geneticamente iguais.

O doador faz a doação de células-tronco em vida. No caso de transplante alogênico há a realização do exame de HLA, que determina a compatibilidade entre doador e receptor e com isso a viabilidade do procedimento. A partir  da comprovação de sua compatibilidade, o doador será submetido a  avaliação médica e laboratorial. A quantidade de células retiradas não causará qualquer dano ao doador, pois será reposta pelo organismo em poucas semanas.

As células tronco podem ser obtidas de diferentes fontes: 1 – Medula óssea (coletadas por punções na s cristas ilíacas em centro cirúrgico); 2 – Sangue periférico (coletadas por aférese após estimulação em bancos de sangue); 3 – Cordão umbilical (coletadas na sala de parto após preparo adequado).

Vários são os pacientes que podem se beneficiar deste procedimento. A indicação e os resultados dependem da doença de base, que podem ser divididas em doenças onco-hematológicas, doenças imuno-hematológicas, doenças oncológicas e doenças auto-imunes.

No nosso Estado, o único centro habilitado e credenciado junto ao Ministério da Saúde a realizar este procedimento é o Hospital Português. Desde 2001, a Unidade de Transplante de Medula Óssea do HP realizou mais de 70 procedimentos e atualmente vem realizando em média 3 transplantes por mês, podendo com isso auxiliar com esta tecnologia de ponta pacientes também do Sistema Único de Saúde (SUS).

Dr Ronald Pallotta, Coordenador da Unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital Português