Notícias Fique por dentro das novidades e eventos

Avaliação ortopédica da criança recém-nascida (RN) — Hospital Português da Bahia

30 de maio de 2009

Avaliação ortopédica da criança recém-nascida (RN)

30 May 2009

Sabemos que a prevenção é a melhor maneira de tratar doenças. Assim, é de grande importância uma boa avaliação da criança logo após o nascimento, ainda no berçário. Patologias importantes como Paralisia Cerebral (PC), Pé Torto Congênito (PTC) e Doença do Desenvolvimento do Quadril (DDQ), dentre outras, podem ser detectadas previamente, interferindo diretamente no seu resultado.

O exame do recém-nascido começa com uma detalhada história do pré-natal e do parto e conta com uma equipe multidisciplinar, incluindo enfermeira, auxiliares, fisioterapeutas, dentre outros. O pré-natal deve ter um acompanhamento correto e realizado por profissionais (ginecologistas e obstetras) competentes e treinados. Algumas perguntas, como idade dos pais, uso de medicações, tabagismo, presença de hemorragias, controle da pressão arterial, algum tipo de infecção e idade gestacional, têm relevância na anamnese (colheita de informações do paciente).

Com relação ao parto, devemos pesquisar o tipo (normal ou cesárea), tempo de duração, presença de circulares (voltas do cordão umbilical no segmento cervical), choro do bebê logo após o parto, se foi necessário realizar ressuscitação ou uso de oxigênio e presença de cianose ou icterícia na criança. Todo esse conjunto de perguntas será muito importante para a avaliação psicomotora do RN.

O exame do RN pode ser dividido em dois tipos: o Exame Neurológico, que busca avaliar o desenvolvimento psicomotor baseado na pesquisa de alguns reflexos importantes, dentre eles: Reflexo da Apreensão, presente nos RN normais até o segundo – quarto mês de vida; Reflexo de Moro, presente até o terceiro mês de vida; Reflexo Cervical Tônico Assimétrico e Simétrico, presente até o quarto – sexto mês de vida e o Reflexo de Apreensão Plantar, presente até um ano de vida. O próximo exame, que complementa o antecessor, é o Exame Físico Ortopédico, que deve ser realizado de forma seqüencial e suave, evitando manobras bruscas.

Iniciamos o Exame Ortopédico com a inspeção do RN, buscando deformidades ou assimetrias desde a cabeça, passando pela coluna cervical-tóraco-lombar até membros superiores e inferiores, pois é nesta fase da avaliação que detectamos algumas patologias como: mielomeningoceles (exposição da medula vertebral), artrogripose múltipla congênita, luxação congênita da patela, pés talus verticalis (pés em mata borrão) e os pés tortos congênitos. Após a inspeção, inicia-se o exame complementar, com as manobras específicas dos membros inferiores, buscando alterações, principalmente nos quadris. Assim temos: Ortolani, Barlow,
Galeazzi e as Assimetrias das Pregas Glúteas.

Durante a execução da avaliação dos quadris, devemos estar atentos para a presença de choro constante e febre, o que seria indicativo de um processo infeccioso, possivelmente uma Artrite Piogênica do recém-nascido, uma patologia grave e de tratamento emergencial.

Finalizando, é importante que a assistência ao RN seja realizada por uma equipe multidisciplinar, com neonatologistas, ortopedistas infantis, enfermeiras, fisioterapeutas e terapeutas ocupacionais. Desta forma, poderemos garantir uma maior segurança para a mamãe e o melhor desenvolvimento neuropsicomotor para o seu bebê.

Autor – Dr. Fernando Garcia, ortopedista do Hospital Português e membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT) e da Sociedade Brasileira de Ortopedia Pediátrica (SBOP)