Notícias Fique por dentro das novidades e eventos

Atitudes simples podem fazer a diferença na luta pela preservação ambiental — Hospital Português da Bahia

9 de junho de 2009

Atitudes simples podem fazer a diferença na luta pela preservação ambiental

09 June 2009

A preservação do meio ambiente é um ato de cidadania, respeito, proteção à vida e dever de todos. Com os crescentes problemas ambientais do nosso planeta – excesso de lixo, uso desenfreado de agrotóxicos, desmatamento, queimadas, desperdício da água e alimentos, entre outros – torna-se ainda mais urgente e necessário o envolvimento de toda a população para proteger a natureza, reduzir
os impactos das ações sobre o ar, a água e o solo, frear o esgotamento dos recursos naturais e alcançar o desenvolvimento sustentável e uma melhor qualidade de vida. Não dá para cruzar os braços e apenas esperar por políticas públicas e ações de governantes e empresários. Neste mês de junho, quando se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente (dia 5), o Imagem Real dá exemplos de atitudes simples que podem fazer a diferença na luta pela preservação ambiental.

Alimentos

Pesquisas mostram que, em países do Terceiro Mundo, as perdas de alimentos, da produção até à comercialização, são em média de 30%, sendo que para vegetais e frutas podem atingir até 80%. No Brasil, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) estima que ocorrem perdas de 20%, em média, no preparo e consumo doméstico de alimentos. “A prática do desperdício é um sério problema cultural brasileiro, e é particularmente preocupante quando se trata de
alimentos, pois envolve aspectos econômicos, sociais, morais e éticos”, avalia a chefe do Serviço de Nutrição do Hospital Português, a nutricionista Gildete Fernandes. Ela ressalta que o aproveitamento de alimentos, muitas vezes considerados “restos”, como cascas e sementes, reduz significativamente o desperdício e pode resultar em ótimos sucos e pratos, como suflês, saladas, sopas, caldos, moquecas, refogados e doces, além de trazer economia para o bolso do consumidor. Sem falar que são fontes de nutrientes, como vitaminas, ferro, cálcio e zinco. “A cultura que temos é a de que cascas e sementes sugerem resíduos, restos, e com isso deixamos de absorver itens de grande valor nutricional”, diz Gildete Fernandes. A nutricionista cita como exemplos a casca de batata e semente de abóbora, que são ricas em ferro; talos de folhas e caules finos, grandes fontes de fibra; folha de beterraba, que contém concentração de ferro, vitamina C e zinco; casca de banana e semente de jaca, fontes de energia, carboidratos, ferro e cálcio. “Infelizmente muitas pessoas comem sem pensar na finalidade nutritiva daquele alimento. Importam-se apenas com o paladar, com o sabor que o alimento vai proporcionar, ou com a sofisticação do prato. Há ainda a questão do comodismo, o que faz muitos optarem por alimentos prontos, inclusive para crianças. Esses, inclusive, são motivos da obesidade e da disbiose intestinal (mau funcionamento do intestino)”, observa. Confira no site do Hospital Português (www.hportugues.com.br) algumas receitas saudáveis, feitas com aproveitamento integral de alimentos.

Energia

Em tempos de aquecimento global, tem sido cada vez maior a preocupação com a diminuição do gasto de energia elétrica. Além do aspecto ecológico, existe também a questão do seu bolso: o valor da conta, no final do mês, pode diminuir em alguns preciosos reais. Para aproveitarmos todos os benefícios da energia elétrica, precisamos aprender a usá-la na medida certa.
Ar condicionado – O condicionador de ar é um dos eletrodomésticos de maior consumo de energia, por isso, utilize-o apenas o estritamente necessário. Dicas: mantenha portas e janelas bem fechadas para evitar entrada de ar do ambiente externo e, se possível, instale o aparelho onde ele não fique exposto ao sol.
Chuveiro – O chuveiro elétrico é responsável por cerca de 25% do consumo de uma residência. Dicas: limite seu tempo debaixo da água quente ao mínimo indispensável; não tente aproveitar uma resistência queimada, isso aumenta o consumo; mantenha a chave de temperatura na posição “verão” (na posição “inverno”, o consumo é aproximadamente 30% maior); evite banhos demorados; seis minutos é um bom tempo para um banho.
Televisor – O televisor é responsável por 5% a 15% do consumo total de uma residência. Dicas: Não deixe o televisor ligado sem necessidade e evite deixá-lo na função “stand-by”, pois consome de 15% a 40% da energia consumida pelo aparelho quando o mesmo está em uso. Simplesmente desligue ou tire da tomada quando não estiver usando a TV.
Geladeira – A geladeira é responsável por cerca de 30% do consumo total de uma residência. Dicas: Coloque a geladeira em local ventilado, afastada de paredes, fora do alcance dos raios solares e distante de fogões e estufas; não use a parte traseira da geladeira para secar panos ou roupas; não deixe aberta, nem fique abrindo desnecessariamente; não coloque alimentos quentes na geladeira e verifique se as borrachas de vedação da porta estão em bom estado.
Máquina de lavar – A máquina de lavar roupa responde por 2% a 5% do consumo total de uma residência. Dicas: acumule o maior número de peças possível para lavar de uma só vez, de acordo com a quantidade indicada pelo fabricante e utilize a dosagem correta de sabão para que você não precise repetir a operação enxaguar.
Ferro elétrico – O ferro elétrico é responsável por 5% a 7% do consumo total de uma residência. Dicas: habitue-se a acumular a maior quantidade possível de roupas, para passá-las de uma só vez; use a temperatura indicada para cada tipo de tecido, no caso de ferro automático, e quando precisar interromper o serviço, desligue o ferro.

Água

A escassez de água no planeta já se tornou uma preocupação mundial. O crescimento populacional, o desenvolvimento das atividades humanas, a poluição de rios, represas e do solo são fatores que vêm contribuindo para tornar a água de qualidade cada vez mais rara. Portanto, é preciso evitar o desperdício. Temos que fazer nossa parte para tentar transformar esse preocupante cenário.
Vazamentos – Resolva urgentemente problemas de vazamento em torneiras e vasos sanitários. Uma torneira mal fechada pode desperdiçar 46 litros de água em um dia.
Banho – Ao ensaboar-se, feche as torneiras. Evite banhos demorados. Reduzindo 1 minuto do seu banho você pode economizar de 3 a 6 litros de água. Imagine numa cidade onde vivem aproximadamente 2 milhões de habitantes. Poderíamos ter uma economia de, no mínimo, 6 milhões de litros.
Torneiras – Instale torneiras com aerador (“peneirinhas” ou “telinhas” na saída da água). Ele dá a sensação de maior vazão, mas, na verdade, faz exatamente o contrário.
Roupa – Lave de uma vez toda a roupa acumulada. Deixar as roupas de molho por algum tempo antes de lavar também ajuda. Ao esfregar a roupa com sabão, use um balde com água, que pode ser a mesma usada para manter a roupa de molho. Enquanto isso, mantenha a torneira do tanque fechada. Enxague também utilizando o balde e não água corrente. Se você tiver máquina de lavar, use-a sempre com a carga máxima e tome cuidado com o excesso de sabão para evitar
um número maior de enxágues.
Jardins e plantas – Regar jardins e plantas durante 10 minutos significa um gasto de 186 litros. Você pode economizar bastante se tomar estes cuidados: regue o jardim durante o verão pela manhã ou à
noite, o que reduz a perda de água por evaporação; durante o inverno, regue o jardim em dias alternados e prefira o período da manhã; use uma mangueira com esguicho tipo revólver; cultive plantas que necessitam de pouca água (bromélias, cactos, pinheiros, violetas).
Carro – Substitua a mangueira por um balde com pano para retirar a sujeira do veículo. Lavar o carro com a torneira aberta é uma das piores e mais comuns maneiras de desperdiçar água.
Mobilize seus amigos e vizinhos – Se você mora em apartamento, estimule seus vizinhos a economizar água e cobre vistorias do condomínio.

 

Outras dicas:

Nunca é demais lembrar: recicle. Recicle no trabalho e em casa. Se a sua cidade ou bairro não tem coleta seletiva, leve o lixo até um posto de coleta. Lembre-se de que o material reciclável deve ser lavado (no caso de plásticos, vidros e metais) e dobrado (papel).

• Não jogue restos de azeite ou óleo de cozinha pelo ralo da pia. Eles acabam sendo descartadas no esgoto, contaminando as águas e matandos vegetais e animais. Armazene o material utilizado em garrafas de plástico (PET) e entregue em uma cooperativa ou empresa de reciclagem, onde o produto será transformado em sabão, detergente e até biodiesel.
• Descarte adequadamente pilhas e baterias de celular, encaminhando os objetos aos postos de coleta.
• Escolha eletrodomésticos de baixo consumo energético. Procure por aparelhos com o selo Procel (no caso dos nacionais) ou Energy Star (no caso dos importados).
• Desligue o computador. Muita gente tem o péssimo hábito de deixar o computador de casa ou da empresa ligado ininterruptamente, às vezes fazendo downloads, às vezes simplesmente por comodidade. Desligue o computador sempre que for ficar mais de 2 horas sem utilizá-lo, e o monitor, se ficar sem usar o equipamento por mais de quinze minutos.
• Ande menos de carro. Use menos o carro e mais o transporte coletivo (ônibus, metrô) ou o limpo (bicicleta ou a pé). Se você deixar o carro em casa 2 vezes por semana, deixará de emitir 700 quilos de poluentes por ano.
• Prefira ventiladores de teto. Nem sempre faz calor suficiente para ser preciso ligar o ar condicionado. Na maioria das vezes, um ventilador de teto é o ideal para refrescar o ambiente, gastando até 90% menos energia.
• Reduza o uso de embalagens. Embalagem menor é sinônimo de desperdício de água, combustível e recursos naturais. Prefira embalagens maiores, de preferência com refil. Evite ao máximo comprar água em garrafinhas, leve sempre
com você a sua própria.
• Compre papel reciclado. Produzir papel reciclado consome de 70% a 90% menos energia do que o papel comum, e poupa nossas florestas.
• Utilize uma sacola para as compras.Sacolinhas plásticas descartáveis são um dos grandes inimigos do meio-ambiente.
Elas não apenas liberam gás carbônico e metano na atmosfera, como também poluem o solo e o mar. Quando for ao supermercado, leve uma sacola de feira ou suas próprias sacolinhas plásticas.
• Plante uma árvore: Uma árvore absorve uma tonelada de gás carbônico durante sua vida. Plante árvores no seu jardim ou inscreva-se em programas como o SOS Mata Atlântica ou Iniciativa Verde.

Fontes: Gildete Fernandes, chefe do Serviço de Nutrição do Hospital Português, Programa de Gerenciamento de Resíduos do Serviço de Saúde do HP, Coelba e Embasa