Notícias Fique por dentro das novidades e eventos

Colesterol exige cuidados constantes — Hospital Português da Bahia

2 de julho de 2009

Colesterol exige cuidados constantes

02 July 2009

Substância importante para vários processos orgânicos, entre eles a formação das células e a produção de hormônios, de vitamina D e de ácidos que ajudam a digerir as gorduras, o colesterol também pode ser um grande vilão. Quando suas taxas no sangue se elevam, torna-se um inimigo do coração. A questão é que o organismo necessita apenas de uma pequena quantidade de colesterol no sangue, que é produzida quase que totalmente pelo fígado. O excedente acaba se acumulando nas paredes das artérias, aumentando o risco de problemas cardiovasculares, como infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral, popularmente conhecido por derrame. O Dia Mundial de Combate ao Colesterol, comemorado em 31 de julho, serve como mais um alerta sobre os riscos do colesterol alto para a saúde e as formas de prevenção do problema.

Como explica a chefe do Serviço de Nutrição do Hospital Português, Gildete Fernandes, o colesterol é resultado do que ingerimos. “O colesterol é resultante do excesso de peso, por isso a obesidade é o maior fator de risco para o seu aumento. Tudo o que ingerimos excedente em calorias poderá ser armazenado na forma de colesterol. Um hábito alimentar saudável é fundamental para prevenir e controlar o problema”, alerta.

O colesterol está presente em alimentos de origem animal, como carnes, leite e seus derivados, frutos do mar, gema de ovo, pele de frango ou embutidos como salame, mortadela e salsicha. As gorduras saturadas provocam aumento da concentração de colesterol. Encontradas em alimentos industrializados, como bolos, biscoitos recheados, chocolates, tortas, sorvetes cremosos, e em alimentos vegetais, como coco, banha de coco e azeite de dendê, também devem ser evitadas.

Gildete Fernandes orienta que uma dieta com baixo teor de colesterol deve ser rica em fibras, como farelo de trigo e aveia, frutas, legumes, raízes e vegetais folhosos. São indicados também leite e iogurte desnatados, queijo branco e ricota, clara de ovo, carne de aves (sem pele) e peixes. “A fibra solúvel é a mais importante para combater o colesterol, e está presente nas polpas das frutas, do feijão e dos grãos, como ervilha e grão de bico”, explica a nutricionista.

Não existem alimentos que por si só diminuem os níveis de colesterol, ainda que ingeridos em grande quantidade. Especialistas recomendam que a melhor receita é a combinação de dieta balanceada, prática de atividade física regular e consultas periódicas ao médico. Vale lembrar que o colesterol alto é um inimigo silencioso, já que não apresenta sintomas, por isso torna-se ainda mais importante a realização de exames regularmente.

Mas os fatores familiares também influenciam. A predisposição à hipercolesterolemia – que é a alta concentração de colesterol no sangue – é transmitida geneticamente. Por este motivo, pacientes com parentes diretos que tenham sofrido problemas cardiovasculares devem estar mais atentos e realizar exames preventivos periodicamente.

Colesterol Bom X Colesterol Ruim

Nem todo colesterol é prejudicial. O LDL é chamado colesterol ruim, causador dos problemas, pois participa da formação das placas de gordura que obstruem as artérias. Já o HDL, ou colesterol bom, representa fator de proteção das artérias, já que retira o colesterol LDL dos tecidos e o leva para o fígado, onde é eliminado ou reaproveitado. Ao contrário do colesterol ruim, a versão saudável não está presente nos alimentos. Sua produção pode ser estimulada por meio do consumo de vinho, principalmente tinto, ou de chocolates artesanais, com seus efeitos antioxidantes, mas sempre consumidos com moderação. Outra maneira de elevar seus níveis é por meio da prática de atividade física regular.