Notícias Fique por dentro das novidades

HP inicia Programa de Residência em Clínica Médica — Hospital Português da Bahia

20 de março de 2013

HP inicia Programa de Residência em Clínica Médica

20 March 2013

O Hospital Português inicia o seu Programa de Residência em Clínica Médica, validado pelo Ministério da Educação (MEC) e financiado pelo Ministério da Saúde (MS), oferecendo, inicialmente, três vagas por ano para os candidatos aprovados no Concurso Unificado de Residência Médica da Bahia. Agora, os recém-formados que desejam obter um treinamento superior em Clínica Médica dispõem desta nova oportunidade de instrumentalização profissional, que alia teorias e práticas médicas como requisito fundamental para ingresso no mercado de saúde. 
Durante todo o período de especialização, os estudantes da pós-graduação vão ser supervisionados permanentemente por profissionais experientes e qualificados do corpo clínico do HP. “Aqui eles encontrarão equipes médicas e de preceptores altamente qualificadas e reconhecidas nacionalmente pela excelência, reunidas em uma estrutura hospitalar de alta complexidade, com grande diversidade de patologias, além de centros de referência em Terapia Intensiva, Nefrologia, Cardiologia, Gastroenterologia, Oncologia, dentre outras especialidades”, destaca o coordenador do Programa de Residência em Clínica Médica do HP e coordenador da Unidade Semi-intensiva da Instituição, Dr. Márcio Peixoto. 
No contexto deficitário das áreas de educação e saúde brasileiras, atuar em uma unidade hospitalar capacitada ao acolhimento da atividade acadêmica e que possua equipe médica qualificada e estrutura de ponta disponível é uma das maiores dificuldades encontradas pelo médico iniciante. Segundo o vice-coordenador do Centro de Estudos Egas Moniz e representante da Comissão de Residência Médica (COREME) no HP, Dr. Aquiles Camelier, cerca de 30% dos formados não conseguem ingressar na residência porque não encontram centros qualificados para ensino. Ele destaca que os diferenciais de infraestrutura do HP, atestados pelo título de Acreditação Hospitalar Nível 2, foram determinantes para a conquista da aprovação do MEC e do financiamento de bolsas de estudo pelo MS nos dois anos de especialização. 
“O Hospital Português é uma instituição com 155 anos de atuação na área de saúde e se destaca por unir tradição e modernidade. O acúmulo de títulos de qualidade, a reunião de um corpo clínico altamente preparado e a detenção de uma estrutura completa para realizar diagnósticos e procedimentos de média e alta complexidade, são diferenciais que agregam valor ao conhecimento ofertado aos jovens profissionais de saúde”, avalia. 
Médico admitido no corpo clínico do HP após a conclusão da residência em Terapia Intensiva, em 2009, Dr. Adhemar de Oliveira e Silva Neto destaca a vivência como essencial para o especializando se municiar de conhecimentos que o permitirão enfrentar os desafios da área. A possibilidade de atuar em um ambiente que dispõe de profissionais renomados, mestres e doutores, setores de exames complementares modernos, unidades de tratamento intensivo de alta complexidade e uma rede abrangente de especialidades é vista por ele como um diferencial de peso. “Fui médico-residente do Hospital Português em Medicina Intensiva por 2 anos, instituição que escolhi após passar no concurso unificado e que me proporcionou ampla experiência técnica na condução clínica de pacientes com diferentes e complexos quadros clínicos, além do conhecimento humanitário. Hoje, posso reafirmar que fiz a escolha certa”, diz o especialista, que atua na Instituição como médico-assistente da Unidade de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia (UGH), desde 2009, e como médico-assistente da Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN), desde 2011. 
O acolhimento aos residentes em Clínica Médica vai ser realizado na COREME da Instituição. Lá, os estudantes vão receber os Manuais do Corpo Clínico do HP e do Médico Residente, os Regimentos Internos do Hospital e do Médico Residente, e serão encaminhados para uma visita guiada na instituição. “A nossa expectativa é de que esses novos profissionais possam desenvolver uma especialização compatível a das melhores instituições de ensino de saúde do país, vivenciando o diagnóstico e o tratamento de diferentes condições patológicas associadas a técnicas de alto nível com recursos terapêuticos atualizados”, revela Dr. Aquiles Camelier. 
Além de contribuir para atenuar a diferença entre o número de inscritos na seleção unificada e o quantitativo de vagas ofertadas para residência médica na Bahia, o Programa vai agregar outros benefícios sociais, tais como abertura de campo para a vivência assistencial especializada e formação médica qualificada dentro das exigências necessárias para prestação do cuidado com segurança. Na avaliação do gerente técnico do HP, Dr. Álvaro Nonato, os ganhos institucionais também são bastante significativos, porque se refletem na qualidade do atendimento prestado ao paciente. “O Programa de Residência constitui um estímulo natural da dinâmica hospitalar, fomentando a atualização do corpo clínico por meio de produções científicas, favorecendo o fortalecimento das áreas de Ensino e Pesquisa da Instituição filantrópica; melhorando a gestão da longa permanência para que o paciente fique hospitalizado somente o tempo necessário, racionalizando os custos da assistência e ainda reforçando as políticas institucionais focadas na qualidade e segurança do paciente”.

O Hospital Português inicia o seu Programa de Residência em Clínica Médica, validado pelo Ministério da Educação (MEC) e financiado pelo Ministério da Saúde (MS), oferecendo, inicialmente, três vagas por ano para os candidatos aprovados no Concurso Unificado de Residência Médica da Bahia. Agora, os recém-formados que desejam obter um treinamento superior em Clínica Médica dispõem desta nova oportunidade de instrumentalização profissional, que alia teorias e práticas médicas como requisito fundamental para ingresso no mercado de saúde. 

Durante todo o período de especialização, os estudantes da pós-graduação vão ser supervisionados permanentemente por profissionais experientes e qualificados do corpo clínico do HP. “Aqui eles encontrarão equipes médicas e de preceptores altamente qualificadas e reconhecidas nacionalmente pela excelência, reunidas em uma estrutura hospitalar de alta complexidade, com grande diversidade de patologias, além de centros de referência em Terapia Intensiva, Nefrologia, Cardiologia, Gastroenterologia, Oncologia, dentre outras especialidades”, destaca o coordenador do Programa de Residência em Clínica Médica do HP e coordenador da Unidade Semi-intensiva da Instituição, Dr. Márcio Peixoto. 

No contexto deficitário das áreas de educação e saúde brasileiras, atuar em uma unidade hospitalar capacitada ao acolhimento da atividade acadêmica e que possua equipe médica qualificada e estrutura de ponta disponível é uma das maiores dificuldades encontradas pelo médico iniciante. Segundo o vice-coordenador do Centro de Estudos Egas Moniz e representante da Comissão de Residência Médica (COREME) no HP, Dr. Aquiles Camelier, cerca de 30% dos formados não conseguem ingressar na residência porque não encontram centros qualificados para ensino. Ele destaca que os diferenciais de infraestrutura do HP, atestados pelo título de Acreditação Hospitalar Nível 2, foram determinantes para a conquista da aprovação do MEC e do financiamento de bolsas de estudo pelo MS nos dois anos de especialização. 

“O Hospital Português é uma instituição com 155 anos de atuação na área de saúde e se destaca por unir tradição e modernidade. O acúmulo de títulos de qualidade, a reunião de um corpo clínico altamente preparado e a detenção de uma estrutura completa para realizar diagnósticos e procedimentos de média e alta complexidade, são diferenciais que agregam valor ao conhecimento ofertado aos jovens profissionais de saúde”, avalia. Médico admitido no corpo clínico do HP após a conclusão da residência em Terapia Intensiva, em 2009, Dr. Adhemar de Oliveira e Silva Neto destaca a vivência como essencial para o especializando se municiar de conhecimentos que o permitirão enfrentar os desafios da área. A possibilidade de atuar em um ambiente que dispõe de profissionais renomados, mestres e doutores, setores de exames complementares modernos, unidades de tratamento intensivo de alta complexidade e uma rede abrangente de especialidades é vista por ele como um diferencial de peso. “Fui médico-residente do Hospital Português em Medicina Intensiva por 2 anos, instituição que escolhi após passar no concurso unificado e que me proporcionou ampla experiência técnica na condução clínica de pacientes com diferentes e complexos quadros clínicos, além do conhecimento humanitário. Hoje, posso reafirmar que fiz a escolha certa”, diz o especialista, que atua na Instituição como médico-assistente da Unidade de Cuidados Intensivos em Gastroenterologia e Hepatologia (UGH), desde 2009, e como médico-assistente da Equipe Multidisciplinar de Terapia Nutricional (EMTN), desde 2011. O acolhimento aos residentes em Clínica Médica vai ser realizado na COREME da Instituição. Lá, os estudantes vão receber os Manuais do Corpo Clínico do HP e do Médico Residente, os Regimentos Internos do Hospital e do Médico Residente, e serão encaminhados para uma visita guiada na instituição. “A nossa expectativa é de que esses novos profissionais possam desenvolver uma especialização compatível a das melhores instituições de ensino de saúde do país, vivenciando o diagnóstico e o tratamento de diferentes condições patológicas associadas a técnicas de alto nível com recursos terapêuticos atualizados”, revela Dr. Aquiles Camelier. 

Além de contribuir para atenuar a diferença entre o número de inscritos na seleção unificada e o quantitativo de vagas ofertadas para residência médica na Bahia, o Programa vai agregar outros benefícios sociais, tais como abertura de campo para a vivência assistencial especializada e formação médica qualificada dentro das exigências necessárias para prestação do cuidado com segurança. Na avaliação do gerente técnico do HP, Dr. Álvaro Nonato, os ganhos institucionais também são bastante significativos, porque se refletem na qualidade do atendimento prestado ao paciente. “O Programa de Residência constitui um estímulo natural da dinâmica hospitalar, fomentando a atualização do corpo clínico por meio de produções científicas, favorecendo o fortalecimento das áreas de Ensino e Pesquisa da Instituição filantrópica; melhorando a gestão da longa permanência para que o paciente fique hospitalizado somente o tempo necessário, racionalizando os custos da assistência e ainda reforçando as políticas institucionais focadas na qualidade e segurança do paciente”.