Notícias Fique por dentro das novidades

6 exercícios para fazer ao ar livre — Hospital Português da Bahia

7 de janeiro de 2014

6 exercícios para fazer ao ar livre

07 January 2014

Os dias ensolarados da alta estação são uma oportunidade para sair da rotina e experimentar a prática esportiva ao ar livre, em contato com a natureza. As opções são diversas: caminhada, ciclismo, corrida, alongamento, hidroginástica, natação, surf. Seja na água ou em chão firme, o exercício regular proporciona inúmeros benefícios para corpo e mente. Melhora do desempenho motor, perda de peso, melhora da estética, da autoestima e do convívio social, são exemplos. De acordo com a Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte, estudos epidemiológicos vêm demonstrando a menor incidência da maioria das doenças crônico-degenerativas em praticantes de atividades físicas, graças ao combate da ansiedade e do estresse; controle da hipertensão arterial, do colesterol e da diabetes; afastamento do risco de aterosclerose, acidente vascular cerebral, doenças vasculares, obesidade, osteoporose, câncer de cólon, de mama, próstata e pulmão, entre outros. Tais evidências atestam a íntima relação entre estilo de vida ativo, menor possibilidade de morte e melhor qualidade de vida. O primeiro passo para se beneficiar dessa tríade é fazer uma avaliação física visando adequar a intensidade e frequência ideal do exercício à meta desejada. O segundo é escolher a modalidade mais apropriada e dar adeus ao sedentarismo. 

Alongamento

O fisioterapeuta e supervisor da especialidade no Hospital Português, Juliano Batista, destaca o alongamento como uma conduta de extrema importância para o bom desempenho da atividade física, visto que músculos encurtados interferem na biomecânica corporal e afetam a execução das atividades. “O bom alongamento é essencial para evitar lesões durante a prática esportiva”, adverte. Estudos atuais recomendam alongamentos de 30 minutos após a prática esportiva, visando o ganho de flexibilidade e relaxamento muscular, ou dedicar um dia ao alongamento. Antes do exercício deve-se realizar aquecimento muscular, preparando o corpo para a atividade física. 

Hidroginástica

Treinamento de baixo impacto, a hidroginástica é recomendada para os idosos por oferecer risco reduzido de lesões, favorecer a circulação secundária e a pressão hidrostática, melhorando o retorno venoso e promovendo ganhos cardíacos, respiratórios e musculares. “Alongamento, hidroginástica e caminhada têm grande indicação para idosos e auxiliam na reabilitação de pacientes devido ao baixo risco de lesões, ao efeito sistêmico causado pelo benefício cardíaco, respiratório, circulatório e muscular”, informa o fisioterapeuta do HP, Juliano Batista, destacando a importância para o idoso da interação social promovida pela atividade física.

 Caminhada

Caminhar é um bom começo para quem pretende modificar hábitos e adotar uma rotina de exercícios. As passadas ritmadas podem ser feitas durante um passeio na orla ou no parque, aumentando a resistência e o condicionamento cardiorrespiratório. O fisioterapeuta Juliano Batista observa que a atividade é bastante completa e atua com importância significativa em diversos sistemas do corpo – cardíaco, respiratório, circulatório e digestivo. Para diminuir os riscos de lesões e problemas decorrentes do exercício, quem caminha na rua deve usar calçado e roupas adequadas, respeitar os limites cardíacos, buscar o acompanhamento e avaliação de profissionais competentes – cardiologistas, educadores físicos e fisioterapeutas.

 Corrida

Basta um calção, camiseta, tênis e disposição para correr. Esta praticidade tem conquistado muitos adeptos da corrida de rua no Brasil. Hoje, mais de 4,5 milhões de praticantes tornam a modalidade a segunda mais praticada no país. Correr regularmente favorece diversos órgãos do corpo, como coração, pulmões, rins; aumenta a força muscular, a resistência física, a velocidade; beneficia ossos e articulações; ajuda no controle da pressão arterial, do colesterol, do peso e do estresse, conforme explica o médico cardiologista e maratonista há mais de 20 anos, Antônio Azevedo Júnior. “Esses benefícios podem ser alcançados com a prática adequada da corrida. Uma avalição médica prévia e detalhada é essencial para afastar o risco de sobrecarga cardíaca e investigar doenças metabólicas e cardiovasculares assintomáticas. Há situações de contraindicação absoluta para exercícios de maior intensidade ou competitivos, devido ao risco de morte súbita”.

Surf

Exercício complexo, o surf trabalha diversos grupos musculares, proporcionando desenvolvimento de força muscular, resistência cardiovascular, postura, coordenação motora, sensação de relaxamento, bem-estar e contato com a natureza. Foi buscando o equilíbrio na prancha sobre as ondas, em condições marítimas variadas, que o médico anestesista Manoel Medeiros perdeu 30kg sem dieta e melhorou a qualidade de vida. “O esporte me ajudou a recuperar a capacidade respiratória, parar de roncar e dormir melhor. Hoje, surfo três vezes por semana. O surf mostra que basta pouco para ser feliz”, pondera.

 O gosto pela modalidade é compartilhado por colegas de profissão do anestesista, como Dr. Luiz Maurício Fonseca, que descobriu o esporte ainda na adolescência. “O surf inspira seguir um estilo de vida saudável, favorável à longevidade. É preciso ter disciplina para encontrar as melhores condições do mar, manter uma alimentação saudável, ter boas relações de amizade”, avalia.

 Natação

Considerada um dos esportes mais completos, a natação aumenta a flexibilidade e resistência, desenvolve a musculatura e o raciocínio, melhora as capacidades cardíaca, respiratória e circulatória; ajuda a controlar a glicemia, a hipertensão arterial e o colesterol, entre outros resultados observados pelo engenheiro de equipamentos, Luiz Antônio Ferreira, 59 anos. Praticante da modalidade na infância e adolescência, ele resgatou a natação há cerca de dois anos por recomendação médica, depois de passar por uma cirurgia cardíaca, em 2009. Com 1,67 de altura, o engenheiro conseguiu saltar dos antigos 90kg para os atuais 70kg, graças às braçadas na água duas vezes por semana que o fizeram recuperar a disposição para as atividades cotidianas. “Nas primeiras aulas, nadar 50 metros era extenuante. Hoje nado 500m, 1.000m, sem interromper a série”, conta. Estimulado pelos resultados, aderiu recentemente à corrida de rua, uma vez por semana, e à musculação com orientação profissional, visando melhorar o desempenho e poder reduzir as medicações para colesterol e hipertensão arterial. “O bem-estar e saúde são os grandes benefícios de quem se exercita. Abandonar uma vida de sedentarismo e alimentação desregrada é ter a certeza de estar se preparando para uma velhice saudável”, avalia.