Notícias Fique por dentro das novidades e eventos

Serviço de Anestesiologia do Hospital Português: precisão e segurança — Hospital Português da Bahia

6 de dezembro de 2007

Serviço de Anestesiologia do Hospital Português: precisão e segurança

06 December 2007

Serviço de Anestesiologia do Hospital Português: precisão e segurançaColaborador do Hospital Português há 37 anos, Dr. Roque Archanjo coordena o Serviço de Anestesia da Instituição. Formado há 40 anos, desde cedo optou pela prática da anestesia, tendo atuado ao lado de grandes nomes da medicina como Menandro Faria, Oliveiros Guanais, Altamirando Santana, Djalma Costa, entre outros.

Testemunha de uma parte da história do Hospital, Dr. Roque conduz com tranqüilidade sua equipe, que recebe pacientes quase sempre receosos e envolvidos numa névoa de desinformação que os leva a temer o procedimento.

Dr. Roque não vê motivo para tanto. “Se contarmos com um profissional anestesista competente, uma equipe de apoio também competente e uma boa estrutura médica hospitalar, a anestesia é segura, sim. Ela é tão segura quanto sair à rua e andar de carro”, afirma. Confira a entrevista:

Como funciona o Serviço de Anestesia do Hospital Português?
O Serviço de Anestesia do Hospital é composto pelos sócios da Clínica de Anestesia de Salvador (CAS), uma pessoa jurídica que disponibiliza 12 a 15 anestesiologistas, por turno de serviço (manhãs e tardes) e dois plantonistas à noite, sábados à tarde e domingos. Estes profissionais obedecem à orientação de um diretor de Serviço, o qual nomeia um Coordenador Geral cuja função, no Hospital Português, tenho a honra e a satisfação de exercer. E um Coordenador de Dia, que se incumbe de distribuir o pessoal, ou seja, indicar o anestesista para cada setor, afim de atender a programação dos procedimentos médico-cirúrgicos previstos para cada dia.

Quais são as pessoas atendidas pelo Serviço de Anestesia?
Toda a clientela do Hospital Português que necessita dos Serviços Anestesiológicos. Neste Hospital, são atendidos Sócios (através de sua Beneficência), os pacientes do SUS, os beneficiários de todos os convênios contratados com o Hospital e os particulares. Esta atuação não diz respeito tão somente aos pacientes que vão se submeter a um ato cirúrgico propriamente dito. O desenvolvimento tecnológico apresenta várias alternativas, não só para diagnóstico, bem como para tratamento, invasivo ou não, que requer o concurso do anestesiologista visando analgesia ou silêncio postural para a sua consecução. È o que acontece em áreas como os exames de diagnóstico por imagem: tomografia, ressonância magnética, bem como os procedimentos na área da Hemodinâmica, como os implantes vasculares, cateterismos cardíacos e outros, lembrando ainda que é um paciente que, com freqüência, apresenta “alto risco” médico, em função do seu estado geral e da delicadeza do procedimento.

Qual a conduta que o paciente que será submetido à anestesia deve adotar?
Marcar previamente sua consulta pré-anestésica. Para isto, a CAS disponibiliza no Centro Médico Hospital Português um consultório à sala 107. A consulta pode ser agendada pelos telefones 3203-5119 e 3203-3424, das 8h às 17h. Recomendamos ao paciente que nos leve todos os exames. São de extrema utilidade para nós, anestesistas: o hemograma completo, coagulograma, glicemia em jejum, uréia, creatinina, eletrocardiograma, raio X do tórax em PA e perfil.

Como a anestesia funciona no organismo?
A anestesia funciona abolindo a dor, com proteção e conforto para o paciente. Na anestesia não basta abolir a dor. As ressalvas, com proteção e conforto do paciente, são de suma importância no ato anestésico e precedem, em muito, a abolição da dor.

Quais são os mitos que giram em torno da anestesia?
As pessoas ou pacientes dizem sempre temer mais a anestesia do que a cirurgia ou outros procedimentos. Isto é conseqüência de que um mau êxito anestésico pode acontecer numa pessoa hígida e jovem, em circunstâncias imprevisíveis, tendo um fato desta ordem enorme repercussão na mídia falada e escrita. Estatística mundial apontava, em 1985, a proporção de uma morte para cada 10.000 anestesias. Hoje, tenho convicção que esta estatística está muitíssimo melhor. A anestesia é uma especialidade bastante jovem, se comparado com o tempo em que o homem luta contra a dor. Felizmente, a tecnologia tem contribuído para irmos desfazendo estes conceitos que são imputados à nossa especialidade. É preciso continuar trabalhando com dedicação e transparência, para que nossos pacientes saibam que hoje eles contam com drogas, aparelhagem e materiais de ponta para aplicação da sua anestesia.

Que cuidados devem ser tomados na escolha do anestesista?
Descontando a presunção, o cuidado maior está em se escolher o cirurgião, pois todo bom cirurgião só quer se deixar acompanhar de um bom anestesista.

As pessoas costumam temer a anestesia. Existe motivo para isso?
Eu, particularmente, digo que tudo que fazemos na vida tem seus riscos. Não é preciso sair de casa, viajar, praticar esportes, etc, para estarmos correndo riscos. Na vida, nos resta sermos precavidos e esclarecidos para as nossas necessidades, na hora em que nos é dada a chance de escolher. Em relação à anestesia, não é diferente. Ela é tão segura quanto sair à rua, andar de carro (com bom motorista), etc, etc…